Plataforma inCharge e criação de valor nos ecossistemas de inovação, conhecimento e negócios

Assim como na natureza, em que os seres vivos se relacionam e se desenvolvem num meio ambiente, o mundo dos negócios pode ser visto como um ecossistema, em que as empresas, fornecedores, clientes e governo interagem. Cada organização pode compreender ou não seu papel, participar mais ou menos ativamente, mas deve reconhecer que o ecossistema em que está inserida afeta os seus negócios. Para Valkokari, pesquisadora do Centro de Pesquisa Técnica VTT da Finlândia, existem regras do jogo necessárias para viver e orquestrar diferentes tipos de ecossistemas. Para sobreviver e prosperar, o ponto essencial é entender que diferentes formas de interação são necessárias.

Daí a importância de se encontrar o seu ecossistema, ou ainda, para as empresas mais inovadoras, criar um ecossistema em torno de uma nova visão de negócio. Um exemplo disso é a Apple, que revolucionou o mercado de produção e consumo de música, a partir da música digital. Assumindo uma posição focal no ecossistema, o lançamento do iPod proporcionou que diversos outros atores cooperassem e se desenvolvessem, desde artistas e produtores de conteúdo que ampliaram exponencialmente sua distribuição por meio do iTunes, consumidores que mudaram seus hábitos e tiveram acesso a novas possibilidades de ouvir música, empresas que passaram a gerar novos negócios com venda de acessórios, até universidades que abriram novos campos de pesquisa.

A inCharge acredita que o setor aeroportuário precisa de uma nova abordagem que proporcione uma melhor experiência para todos os participantes da comunidade. Entendemos que nosso papel focal no ecossistema é gerar valor para todos os participantes, disponibilizando uma plataforma tecnológica que facilite a comunicação e conformidade para o operador de aeródromo, como provedor e orquestrador da infraestrutura e serviços, controle dos serviços e transparência para operadores aéreos e pilotos, integração com as empresas de serviços auxiliares, que ofertam serviços e produtos para os clientes do aeroporto, criação de uma cadeia de suprimentos estruturada entre fornecedores e operadores de aeródromo, disponibilidade de informação para passageiros e seus acompanhantes, e geração de conhecimento para a alta gerência, investidores, governo, institutos de pesquisa e universidades.

Não quer ficar de fora dessa disrupção no setor? Venha falar conosco.